Hora 7 Com 20 cm, pika está ameaçada de extinção

Com 20 cm, pika está ameaçada de extinção

Mamífero sem rabo e com aparência de um urso de pelúcia foi visto pela última vez em 2015, quando foi fotografado por cientista

  • Hora 7 | Maria Cunha*, do R7

Resumindo a Notícia
  • Pika está ameaçada de extinção, segundo um comunicado emitido pelo governo chinês.

  • Mamífero tem apenas 20 cm, não possui rabo e parece um ursinho de pelúcia.

  • Animal foi encontrado pela primeira vez em 1983, na cordilheira Tian Shan, na China.

  • Pika só foi vista novamente em 2015, quando houve o registro de uma foto do animal.

Espécie denominada Pika-de-Ili foi vista pela primeira vez em 1983

Espécie denominada Pika-de-Ili foi vista pela primeira vez em 1983

Reprodução Li Weidong/Xinjiang Institute for Ecology and Geography

A pika está ameaçada de extinção, segundo um comunicado emitido pelo governo chinês. O mamífero de apenas 20 cm, sem rabo e com aparência de um urso de pelúcia, foi encontrado pela primeira vez na cordilheira Tian Shan, no noroeste do país.

O animal raro, primo das lebres e dos coelhos, chamou a atenção do cientista Li Weidong em 1983, quando ele fazia uma pesquisa, financiada pela China, na área montanhosa com o objetivo de estudar doenças infecciosas e recursos naturais. 

Na época, o pesquisador trabalhava no Instituto de Ecologia e Geografia Xinjiang e afirmou que não imaginava encontrar a espécie denominada Pika-de-Ili (Ochotona iliensis) saindo de uma fenda. 

"Eles o encontraram escondido atrás de uma rocha e perceberam que haviam encontrado a pika", informou Tatsuya Shin, um naturalista na China que trabalhou com os descobridores da pika para o National Geographic.

Depois disso, Li pegou vestígios do animal para que pudessem ser analisados na Academia Chinesa de Ciências, visando estudar se era mesmo uma espécie nova.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram

Após a primeira aparição, o animal só foi visto novamente em 2015, ano em que o pesquisador conseguiu registrar uma foto do mamífero.

Além disso, a pika tem um hábito de vida solitário e não foi visto convivendo em duplas ou grupos, o que é considerado um obstáculo para que ele seja visto.

A dificuldade de encontrar o animal, porém, também se deve ao fato dele ser extremamente sensível às mudanças de ambiente. Assim, com as variações climáticas e a intensificação da presença agropecuária em seu habitat natural, a sobrevivência do mamífero é diretamente afetada.

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natural, havia uma estimativa de que aproximadamente 2.000 pikas vivessem no planeta na década de 1990. A espécie se reproduz de forma vivípara, mas não se sabe o tamanho de cada ninhada.

Outra curiosidade é que o mamífero raro serviu de inspiração para o personagem Pikachu da série de games e animes japoneses Pokemón.

*Sob supervisão de Filipe Siqueira

Filhotes de espécies ameaçadas nascem em centro de proteção da fauna de SP

Últimas