Hora 7 A pergunta que não quer calar: por que não tiram o Titanic do fundo do mar?

A pergunta que não quer calar: por que não tiram o Titanic do fundo do mar?

Cientistas e pesquisadores tentaram durante anos encontrar um jeito de resgatar a embarcação, mas os esforços foram em vão

  • Hora 7 | Matheus Borges*, do R7

Resumindo a Notícia
  • Titanic naufragou em 15 de abril de 1912.

  • Foram feitas diversas sugestões, mas todas recusadas.

  • Hoje o Titanic é patrimônio protegido pela Unesco.

  • Os destroços podem sumir nos próximos 30 anos.

Com os últimos eventos que envolvem o submersível Titan, que tinha como objetivo visitar os destroços do Titanic, uma pergunta começou a ser feita pelas pessoas: por que os cientistas e os engenheiros não tiram a embarcação centenária naufragada do fundo do oceano Atlântico?

Depois de diversos estudos, análises e inúmeras propostas inviáveis para resgatar o enorme navio que transportava mais de 2.000 pessoas em abril de 1912, os estudiosos chegaram à conclusão de que seria impossível trazê-lo de volta à superfície e que era melhor deixá-lo onde está.

“Não apenas o aço exposto na proa superior é muito frágil até mesmo para a operação de guindaste mais engenhosa, mas a lama também atuou como areia movediça no fundo do mar", afirmou o pesquisador e escritor Daniel Stone para o Business Insider.

Os engenheiros tiveram diversas ideias sobre como emergir a embarcação, como congelá-lo com nitrogênio líquido para que flutuasse como um iceberg, ou enchê-lo com bolinhas de pingue-pongue, mas ambas foram descartadas.

Apesar da fortuna que afundou junto com o Titanic, trazê-lo de volta à superfície, além de custar milhões de dólares, poderia danificar muito sua estrutura, fazendo com que o navio se desmanchasse em muitas partes, por conta do grande período de tempo que passou debaixo d'água, o que o deteriorou e o deixou extremamente frágil.

Quando a embarcação naufragou, ao se chocar com um iceberg, nem se sabia ao certo onde o Titanic tinha ido parar, já que poderia ter sido levado pelas fortes correntezas e estar preso em outro lugar.

Além disso, em meio às primeiras pesquisas para a retirada do barco, as duas grandes Guerras Mundiais se desenrolaram e fizeram com que os planos fossem deixados de lado.

O Titanic afundou em 14 de abril de 1912

O Titanic afundou em 14 de abril de 1912

Sob licença Creative Commons/Store Norske Leksikon

Somente em 1953 uma empresa britânica trouxe de volta a discussão, propondo mapear o fundo do oceano para de fato encontrar o local onde o Titanic estaria, mas o projeto não foi aprovado, por ser muito caro.

Apenas em 1985 a embarcação foi finalmente encontrada. Os pesquisadores contaram com a ajuda de um robô, o Argo, feito para aguentar a pressão do fundo do mar.

As pesquisas mostraram que os destroços estavam espalhados por uma área de cerca de 1.700 m² e a quase 4.000 metros de profundidade.

Hoje em dia o Titanic é protegido pela Unesco e é considerado um patrimônio histórico, portanto é proibida qualquer tentativa de resgate do navio.

No entanto, por permanecer no fundo do mar, pesquisas mostram que nos próximos 30 anos os restos da embarcação irão lentamente sumir, devido à desintegração natural.

A bióloga microbiana Lori Johnston disse em entrevista ao USA Today que as bactérias estão trabalhando simbioticamente para comer, por assim dizer, o ferro e o enxofre.

"Todo aquele buraco no convés daquele lado está desmoronando, levando consigo as cabines, e a deterioração vai continuar avançando", completou o historiador do Titanic Parks Stephenson.

*Sob supervisão de Odair Braz Jr.

As teorias da conspiração sobre o naufrágio do Titanic

Últimas